MENU

"Agora é tempo para erguer nossa nação das areias movediças da injustiça racial e da discriminação para a pedra sólida da fraternidade." (Rev. Martin Luther King Jr.)

Sejam bem-vindos ao NEGOSPEL!

O que vem a ser o NEGOSPEL? - NEGOSPEL é um MOVIMENTO NEGRO EVANGÉLICO virtual e, ou, presencial cuja missão é de conscientizar os afrodescendentes e interessados no assunto quanto à sua historicidade, identidade, autovalorização e espaço tanto do ponto de vista histórico-teológico como étnico-sócio-racial lutando, assim, pela reparação nas áreas supra-citadas dentro de um recorte racial justo e verdadeiro ante às inúmeras injustiças resultantes na atual estratificação social. Portanto, continue conosco interagindo e divulgando nosso trabalho e muito obrigado pela sua visita!

Afroabraços,

Henrique Coutinho.



terça-feira, 20 de julho de 2010

18 DE ABRIL - O VERDADEIRO DIA DO AMIGO - DIVULGUE!!!

Dia do Amigo - 18 de abril: Informações.

De vez em quando, aparece alguém com o contra-argumento de que Dia do Amigo devem ser todos os dias do ano.
Sabemos disto.
Mas a realidade é que não dispomos de todos os dias do ano para nos dedicarmos e nos reunirmos com os que nos são caros ou para buscarmos novos amigos.
Por isto, a importância de conferir uma data especial para que nos seja oportuno este encontro com aqueles que consideramos amigos.
O Dia do Amigo (18 de abril) foi originalmente criado e patenteado por uma médica baiana, a Dra. Kleyde Lopes.
O objetivo de patentear o Dia do Amigo foi para que o mesmo não fosse confundido com o Dia da Amizade em sua data de comemoração.
Patente sob processo n° 821860615.
O Dia da Amizade foi criado em Buenos Aires, com o Decreto nº 235/79, inspirado pela chegada dos norte-americanos à lua, sendo que foi gradualmente divulgado em outras partes do mundo e comemorado no dia 20 de julho. Foi adotado principalmente nos Estados Unidos com objetivos ideológicos mais relacionados a arrecadações financeiras para entidades filantrópicas.
O Dia do Amigo não possui qualquer tipo de objetivo voltado para arrecadações financeiras, mas sim, o de acúmulo de sentimentos humanos benevolentes, de paz e de fraternidade entre as pessoas.
É uma idéia que deseja atingir o objetivo de resgatar a reverência ao ser amigo, em nível nacional e internacional, para assim, estar potencialmente universalizando esta data e iniciativa.
De certa forma, confundir o Dia do Amigo com o Dia da Amizade chega a ser uma falha de interpretação conceitual e, até, de compreensão gramatical.
Seria o mesmo que confundir o Dia das Mães com o Dia da Maternidade, o Dia dos Pais com o Dia da Paternidade, o Dia da Criança com o Dia da Criancice, o Dia da Raça com o Dia do Racismo, ou, ainda, o Dia da Mentira com o Dia do Mentiroso.
Em primeira instância o termo “amizade” pode até assemelhar-se ao termo “amigo”.
Todavia, conceitualmente, são distintos, pois, a amizade, trata de um tipo específico de sentimento entre as pessoas que geralmente não são ligadas por laços de família ou por atração sexual.
É muito mais marcante comemorar o AMIGO do que a amizade. Pelo AMIGO, pode-se sentir não só amizade, mas, também, afeto, amor, carinho, saudade, etc.
Dá valor a você e ao outro como indivíduo AMIGO e não apenas ao sentimento geral de amizade.
É válido comemorar, em julho, o Dia da Amizade dos norte-americanos, mas, deveríamos comemorar, também, o Dia do Amigo em 18 de abril.
O Dia do Amigo é uma idéia originalmente brasileira que deve ser defendida inicialmente por nós, para assim ganhar o devido espaço no mundo.
A cada ano este projeto vem se estabelecendo definitivamente como data comemorativa.
Da Bahia para o mundo, o Dia do Amigo vem ganhando cada vez mais força e reconhecimento pela sociedade, por instituições e por órgãos governamentais.

Vou ser o mais friamente sincero na minha opinião, sem querer denegrir a mensagem acima, apenas quero me colocar na mente de outras pessoas que podem ler a mensagem e encontrar algum ponto que considerem vulneráveis e, assim, não tomar a informação como verdadeira. Principalmente porque na internet há tanto spam, tanta desinformação, tanta falsa informação. Ao meu ver, um recurso (extremo, acho!) muito eficiente para dizimar as possíveis dúvidas, uma vez que é possível sentir uma divulgação muito reduzida na mídia, seria apresentar imagens ou mesmo cópias dos documentos que comprovam essa patente sob processo n° 821860615. Apesar de que exista o documento oficial divulgado pelo governo federal sobre o dia 18 de abril como sendo o dia do amigo.
O site www.diadoamigo.com.br realmente existe, é bem pensado e funcional, baseado em flash, contudo, parece pouco atualizado. Ele fala sobre no menu "Eventos" sobre o Prêmio Grande Amigo, segundo o site:

"A partir da morte de Dr. Ewerton Visco (que foi um dos primeiros e principais colaboradores do projeto) que abriu as portas do Iguatemi para as diversas comemorações anuais do Dia do Amigo em 1995, foi instituído o prêmio O Grande Amigo, que se constitui em uma placa de metal (50 cm x 40 cm) com dizeres de homenagem alusivos ao Dia do Amigo, a qual é entregue pela Dr. Kleyde Lopes em reconhecimento a personalidades, a pessoas ou a órgãos que se destacaram pela maneira especial como abraçaram esta causa e pela forma como colaboraram para difundir e consolidar o Projeto Dia do Amigo. O objetivo é o de eternizar esses importantes colaboradores nos anuais do Projeto Dia do Amigo."

A página linkada é a mais básica possível: fundo branco, letras bem pequenas, e só está atualizada até 2005. Não se sabe se o prêmio ainda existe. Ainda no menu eventos, na opção fotos, não é possível ver foto alguma.
Sobre o senhor Ilbert Lopes Ramos, a net aponta sites com boas referências sociais com o seu nome.
Quanto à Dª Kleyde Mendes Lopes Ramos (devem ser parentes!) há referência a ela no Google e poucas no Orkut. Bem, não identifiquei nenhum perfil dela no Orkut. Ela também é escritora e já lançou, pelo menos conforme vi no site da Estante Virtual, três livros: A arte de amar-te, Doce Sertão e Vivendo. A melhor descrição que pessoalmente vi sobre ela está no site do Golfinho, que é o portal de PNL no Brasil, especificamente, na página sobre os palestrantes do V Congresso Latino-Americano de Programação Neurolinguística, do qual ela foi uma palestrante. Atenção:

"Médica, bióloga, sexóloga e geneticista, pesquisadora do relacionamento humano, com formação em Análise Transacional e Master Practitioner em PNL. É presidente da Sociedade Brasileira de Psicanálise e Cultura. Poeta e escritora. Criadora do Dia do Amigo – 18 de abril como parte de seu projeto de divulgação do amor como agente de transformação da humanidade. Recebeu diversos prêmios e homenagens de importantes instituições internacionais, como o International Peace Prize em 2004 nos EUA."

É mole??!!

(BY jacksonangelo.blogspot.com)

sexta-feira, 2 de julho de 2010

2 DE JULHO: A VERDADEIRA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL NA BAHIA!

O QUE É O 2 DE JULHO?
A comemoração do dia 2 de Julho é uma celebração às tropas do Exército e da Marinha Brasileira que, através de muitas lutas, conseguiram a separação definitiva do Brasil do domínio de Portugal, em 1823. Neste dia as tropas brasileiras entraram na cidade de Salvador, que era ocupada pelo exército português, tomando a cidade de volta e consolidando a vitória.

Esta é uma data máxima para a Bahia e uma das mais importantes para a nação, já que, mesmo com a declaração de independente, em 1822, o Brasil ainda precisava se livrar das tropas portuguesas que persistiam em continuar em algumas províncias. Então, pela sua importância, principalmente para os baianos, todos os anos a Bahia celebra o 2 de Julho. Tropas militares relembram a entrada do Exército na cidade e uma série de homenagens são feitas aos combatentes.
Entre todas as comemorações, a do ano de 1849 teve um convidado muito especial. O marechal Pedro Labatut, que liderou a tropas brasileiras nas primeiras ofensivas ao Exército Português, participou do desfile, já bastante debilitado e sem recursos financeiros, mas com a felicidade de homenagear as tropas das quais fez parte.
Para chegar a este dia, muita luta foi travada...
O Brasil do início do século XVIII ainda era dominado por Portugal, enquanto o Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais e a Bahia continuavam lutando pela independência. As províncias não suportavam mais a situação e, percebendo os privilégios que o Rio de Janeiro estava recebendo por ser a capital, Pernambuco e Bahia resolveram se rebelar.
Recife deu início a uma revolução anti-colonial em 6 de março de 1817. Esta revolução tinha uma ligação com a Bahia, já que havia grupos conspiradores compostos por militares, proprietários de engenhos, trabalhadores liberais e comerciantes. Ao saber desta movimentação, o então governador da Bahia, D. Marcos de Noronha e Brito advertiu alguns deles pessoalmente.
O governo estava em cima dos conspiradores e, devido à violenta série de assassinatos, muitos baianos resolveram desistir. Com toda esta repressão, a revolução de Recife acabou sendo derrotada. Os presos pernambucanos foram trazidos para a Bahia, sendo muitos fuzilados no Campo da Pólvora ou presos na prisão de Aljube, onde grande personagens baianos também estavam presos.
Movimentação pela independência:
Diante das insatisfações, começaram as guerras pela independência. Os oficiais militares e civis baianos passaram a restringir a Junta Provisória do Governo da Bahia, que ditava as ordens na época, e com esta atitude foi formado um grupo conspirativo que realizou a manifestação de 3 de Novembro de 1821.
Esta manifestação exigia o fim da Junta Provisória, mas foi impedida pela "Legião Constitucional Lusitana", ordenada pelo coronel Francisco de Paula e Oliveira. Os dias se passaram e os conflitos continuavam intensos. Muitos brasileiros morreram em combate.

Força portuguesa:
No dia 31 de Janeiro de 1822 a Junta Provisória foi modificada. E depois de alguns dias, chegou de Portugal um decreto que nomeava o brigadeiro português, Ignácio Luiz Madeira de Mello, o novo governador de Armas.
Os oficias brasileiros não aceitavam esta imposição, pois este decreto teria que passar primeiro pela Câmara Municipal. Houve, então, forte resistência que envolveu muitos civis e militares.

Madeira de Mello não perdeu tempo e colocou as tropas portuguesas em prontidão, declarando que iria tomar posse. No dia 19 de fevereiro, os portugueses começaram a invadir quartéis, o forte São Pedro, inclusive o convento da Lapa, onde haviam alguns soldados brasileiros. Neste episódio, a abadessa Sónor Joana Angélica tentou impedir a entrada das tropas, mas acabou sendo morta.

Concluída a ocupação militar portuguesa em Salvador, Madeira de Mello fortaleceu as ligações entre a Bahia e Portugal. Assim a cidade recebeu novas tropas portuguesas e muitas famílias baianas fugiram para as cidades do recôncavo.
Contra-ataque brasileiro:
No recôncavo, houve outras lutas para a independência das cidades e o fortalecimento do exército brasileiro. O coronel Joaquim Pires de Carvalho reuniu todo seu armamento e tropas e entregou o comando ao general Pedro Labatut. Este, assim que assumiu, intimidou Madeira de Mello.
Labatut organizou todo seu exército em duas brigadas e iniciou uma série de providências. Aos poucos o exército brasileiro veio conquistando novos territórios até chegar próximo a cidade de Salvador.
Madeira de Mello recebeu novas tropas de Portugal e pretendia fechar o cerco pela ilha de Itaparica e Barra do Paraguaçu. Esta atitude preocupava os brasileiros, mas os movimentos de defesa do território cresciam. E foi na defesa da Barra do Paraguaçu que Maria Quitéria de Jesus Medeiros se destacou, uma corajosa mulher que vestiu as fardas de soldado do batalhão de "Voluntários do Príncipe" e lutou em defesa do Brasil.


Em maio de 1823, Labatut, em uma demostração de autoridade, ordenou prisões de oficiais brasileiros, mesmo sendo avisado do erro que estava cometendo, e acabou sendo cassado do comando e preso. O coronel José Joaquim de Lima e Silva assumiu o comando geral do Exército e no dia 3 de Junho ordenou uma grande ofensiva contra os portugueses. Com a força da Marinha Brasileira, o coronel apertou o cerco contra a cidade de Salvador, que estava sob domínio português, restringindo o abastecimento de materiais de primeira necessidade. Diante destes fortes ataques e das necessidades que estavam passando, Madeira de Mello enviou apelos e acabou se rendendo. Com a vitória, o Exército Brasileiro entrou em Salvador consolidando a retomada da cidade e fim da ocupação portuguesa no Brasil.

(BY BAHIA.COM)